15.5.12

BLOGAGEM COLETIVA - AMOR AOS PEDAÇOS - A ESPERANÇA





                               


 Esta é a minha participação na BLOGAGEM COLETIVA ,
promovida pelas amigas


44 comentários:

São disse...

Haja esperança!

Um abraço, amiga

Maria disse...

Amiga Elvirinha:
Vou voltar com mais calma. Lerei tudo depois e comento.
De momento, desconcentro-me muito.
Desculpe, amiga
Beijinho
Maria

RUTE disse...

Oi Elvira,
muito especial seu texto.
A esperança renovada na forma de uma criança. O fruto de um amor bonito que durou pouco no plano físico mas que renasceu o pai no filho(a).
Encantador!
Beijinhos.
Rute

Sandra Portugal disse...

Juntas na esperança!
bjs Sandra
http://projetandopessoas.blogspot.com//

Andre Mansim disse...

Lindo Texto Elvira! Que legal. Trata-se de um blog onde vocês continuam as historias uma das outras ou são postagens independentes?

Gostei viu! Interessante!

vendedor de ilusão disse...

Texto soberbo..., gostei muito, meus parabéns!
Aproveito para lhe desejar um bom dia e uma ótima semana!
Abraço.

poetaeusou . . . disse...

*
cada Natividade,
é uma luzinha de vida !
,
bonita prosa,
parabéns .
,
esperançosas conchinhas,
ficam,
*

Luma Rosa disse...

Elvira, seu conto ilustra muito bem as transformações que o amor processa dentro de nós e a maneira que ele pode nos comandar a vida. Por amor, morre-se e vive-se todos os dias, na medida que a esperança foge ou se aproxima de nós! Obrigada por mais essa interação!! Beijus,

Lulu disse...

Lindo texto Elvira. Deus deu a oportunidade de recomeçar a vida e ter esperanças com o fruto desse amor.
Também participo desta blogagem coletiva. Big Beijos

pensandoemfamilia disse...

Contaode uma trajetória amorosa com encontros e desencontros transmutados na esperança de um novo ser.
bjs

Vitor Chuva disse...

Olá, Elvira!

Não sei sei se a história terá algum fundo de verdade, mas está lindamente construída, a terminar com tocante final, a querer chamar a lágrima ao canto do olho...

Boa sorte!
Um abraço amigo
Vitor

António Querido disse...

Quantas histórias a guerra tem para nos contar, umas com final feliz, outras menos felizes, a palavra (guerra)não devia existir, porque não há vencedores, nem vencidos, mas sim vidas destroçadas!
O meu abraço

Teté disse...

A esperança pode surgir de muitas formas, certo é que a certa altura tem de se deixar de chorar perdas e seguir em frente! :)

Beijocas!

FireHead disse...

Quantos não são os militares que, devido à miséria profissional em que vivem, arriscam as suas vidas nos palcos de guerra em nome de melhores condições para a sua vida e para a da sua família?

Eu sempre ouvi dizer que os nossos filhos são a nossa continuação neste mundo... já que não acredito nessas coisas pagãs como a reencarnação...

Fernanda disse...

Um conto que bem pode ser real.
Infelizmente muitos desse pobres desgraçados soldados destacados para o Kosovo assim acabaram.
Ficou um rebento e um alento para que Sofia pudesse continuar viva.

Amiga,


Lamento deixar esta "mensagem" que explica minimamente a razão pela qual o faço e me ausento por algum tempo, que espero ser muito curto.
Estou em preparação para uma intervenção simples aos meus olhos.
Volto logo, verá.

✿ chica disse...

Linda e comovente!!Linda esperança!!beijos,tudo de bom,chica

Orvalho do Céu disse...

Olá,
"O que me importa o tempo e o espaço,
Se trilhei caminhos orvalhados
Em busca do calor do teu abraço?"
(Auxiliadora)

"Cada criança que nasce é a prova papável de que Deus ainda não está desanimado com os homens"...
Perfeita definição de Esperança vc nos deu: um filho... Para mim também o foi!!!


Concedei-lhe, ó Deus, prodigamente, o ORVALHO DO CÉU...
Até o próximo mês, se Deus quiser!!!
Abraços esperançosos de paz

"Jamais desista de ser feliz, pois a vida é um espetáculo
imperdível, ainda que se apresentem dezenas
de fatores a demonstrarem o contrário."
Fernando Pessoa.

Paulo Cesar PC disse...

Querida Elvira, esse é um conto que nos transporta até ele, e de certa forma, nos traz a realidade também. Um beijo no seu coração.

Mary disse...

Esperança em renovação, sempre.
lindo.
Beijos

Josy disse...

Que lindo e comovente esse conto Elvira, carregado de emoções e esperança. A abordagem ao tema foi excelente. Gostei muito. Bjocas

Suu Munizz disse...

Bonita postagem,apesar de triste mostra bem como às vezes nem tudo está perdido,que podemos sempre ter esperança e acreditar nos recomeços da vida!
Abraço,=)

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Elvira, gosto de ler e comentar com calma, por isso hoje venho só para te explicar e pedir desculpas pela minha ausência. Tenho cá em casa a minha sobrinha( vinda do Brasil) com a sua filhotinha e, como deves imaginar, o tempo é para elas. Estou desculpada, não é verdade? Voltarei depois com mais calma para ler tudo com cuidado. Um beijinho e fica bem!
Emília

Maria Luiza disse...

Sensacional esse conto. A esperança foi resgatada através da nova vida a caminho, prova do grande amor que vivera! Grande abraço! Amei!

LUZ disse...

Onde está a seguidora de quem eu menos gosto, onde está?

Não se devem começar, assim, os comentários, mas olhe, esta saltou-me do peito. E pronto, já cá está.

Boa tarde estimada Elvira,

Li, como sempre, e com refinada atenção a bela história, real, contada por alguém, inventada ou não, com que nos presenteou.
Estava a pensar na sua versatilidade(não sei se este é o nome comum abstrato mais correto para defini-la, mas não encontro outro melhor, talvez mais apropriado) e a imaginar como é forte, direto, reto e de mel o seu coração. Parece parodoxal, mas é real, é assim.
E aí reside a essência da sua grande alma, que tanto admiro.

Vamos lá ao conto. A "menina" Elvira parece uma romancista. "Cada tiro, cada melro". E porquê? Não há frase nenhuma, nenhuma no seu texto, que não esteja, morfologicamente e sintaticamente correta e muito bem colocada.
Quanto a semântica, nem é bom falar. Sentido, que não é único, abunda por todo o lado. É só escolher e depois ler, para deleitar os olhos e aliciar o nosso peito.
A história de Sofia, parece real. Já me contaram situações semelhantes e já li casos destes, mas escritos por si, têm um sabor...sabor a Elvira, símbolo de prestígio e dignidade.
Infelizmente, algumas Sofias existirão por esse mundo, mas ficou com algo muito bom daquele amor: um filho.

Extasiante e idílico o início do seu texto. PARABÉNS!

Enternecedor quando a mãe a toma nos braços, aquando do seu desmaio.
Não menos doce, aprazível, quando é revelada a sua gravidez.

O Amor é uma fonte inesgotável, é verdade, seja em que vertente for.

Feliz dia, com sóis nos corações das minhas princesinhas.

Beijos de muita ternura e apreço.

Teresinha Ferreira disse...

Olá Elvira,
Estamos unidas nessa blogagem da esperança.
Ela que nos motiva a cada dia e nos proporciona um dinamismo maior.
Já estou te seguindo.
Bons fluidos

Michelle disse...

Olá, Elvira.

Neste caso, houve a materialização da esperança! Que símbolo maior para esperança do que o nascer de uma vida? E o renascer de outra, não é verdade? Porque mãe e filho nascerão.

Um boa perspectiva, parabéns.

Um abraço,

Michelle

manuela barroso disse...

Olá Elvira!
Que lindo pedaço de Amor numa historia envolvente que se lê de um "trago"!
Só pode ter a sua marca de sensibilidade, querida amiga!
Gostei mesmo muito e da forma como a narrou.Linda!
Grande abraço

Mariangela disse...

Oi Elvira!
Um lindo e triste conto, e muito real.
A esperança jamais pode nos faltar, devemos sempre abraçar as oportunidades que Deus nos dá para sermos felizes!
Um grande abraço!
Mariangela

Lu Souza Brito disse...

Oi Elvira,

Que conto triste, lindo e ao mesmo tempo, cheio de esperança.
Ela realmente vem quando menos esperamos e de onde menos esperamos.
Um abraço

Olinda Melo disse...

Querida Elvira

Um texto excelente que foca o problema que é a guerra e a ida dos entes queridos para esses sítios sujeitos a mil perigos. A morte do marido de Sofia na flor da vida, por envenenamento, aponta para uma situação que se viveu ainda há pouco tempo, a do envenenamento por urânio empobrecido. Uma chamada de atenção muito oportuna, pois continuamos a ver os nossos jovens a irem para essas paragens...

Beijos

Olinda

Dulce disse...

E Sofia nunca mais ficará só, nunca mais ficará distante de João...

Um lindo amor!

Um abraço e parabéns pelo bonito texto.

rosa-branca disse...

Olá amiga, lindo, nostálgico e com um final enternecedor. Sofia não ficará mais só, pois o seu amor lhe deixou a luz para seguir em frente. Amei demais. Beijos com carinho

Felipa disse...

Olhe, eu não quero estragar as esperanças alheias, mas se o bebé foi gerado estando o marido com envenenamento radioativo essa criança corre sérios riscos de vir a ser doente, deficiente ou nascer morta.
É triste, mas é assim.

Como escritora amadora gosto que me apontem os erros que cometo, e faço o mesmo aos outros, peço desculpa.

Mas dentro desta blogagem, sendo o tema a esperança, a sua personagem supera a todos, tendo esperança nesse bebé que pode nascer com problemas.

Mas é um bonito conto.
Bj

lis disse...

Oi Elvira
Voce sabe bem usar a criatividade pra falar de qualquer tema numa blogagem coletiva e dessa vez nao foi diferente- está excelente o conto.
Ter nos braços o filho do amado que partiu prematuramente deve ser o melhor dos presentes.
Li o comentário da Felipa e não concordei muito( apesar de concordar com o que a radioatividade pode causar), mas sendo seu conto de esperança e finalizado com uma gravidez a iniciar , não lhe convém e nem seria justo imaginar ou prognosticar como nascerá esse lindo bebê.
Fim . Ponto .rs
E todas as mamães só desejam isto: que lhe traga felicidade.
Parabéns pela participação.
um abraço

MARILENE disse...

Ficou muito bela sua participação. Quando li a parte da doença e da morte, me entristeci. Mas sabia que algo de bom você ia colocar, em razão do motivo da blogagem. E o fez de forma magnífica. Uma nova vida poderia preencher o vazio que o marido deixou. Esperança!!!!

Bjs.

Felipa disse...

A única coisa em que não concordo é o tipo de doença escolhido para o marido, só isso. De resto está um bonito conto, triste mas lindo.
E eu sou pragmática, mesmo, não consigo evitar.
Mas neste tema, esta é a personagem que supera a todos, repito, pela esperança depositada nessa gravidez. Não acho que os prováveis problemas que a criança pode vir a ter devessem ser referidos no conto, nada disso, acho apenas que deveria ter sido escolhida outra doença para o marido.
Como disse, sou escritora amadora, não uma profissional, não pretendo criticar ninguém, antes pelo contrário, apenas ajudar, como também aprecio as ajudas que às vezes recebo.
Peço desculpa se fui mal entendida.

Esplendor da Criação disse...

Um conto maravilhoso, fatos que fazem parte da vida e uma criança é a grande Esperança que vem para tudo transformar, até mesmo uma grande dor, como neste conto. Uma bela participação, bjs.

Socorro Melo disse...

Oi, Elvira!

História triste, porém bela, a de Sofia. Só mesmo um filho, neste caso, poderia lhe devolver a vontade de viver e de recomeçar... Um grande exemplo de que a esperança nos alavanca e nos faz ver a vida com novo olhar.

Beijos, amiga
Socorro Melo

Isamar disse...

"Foi um bálsamo para o coração sofrido da jovem." E foi de facto um renovar da esperança nunca totalmente perdida. Uma nova força vinha preencher-lhe o quotidiano. Deus fechara-lhe uma porta mas abrira-lhe uma janela, lindíssima, para o futuro. Um conto muito bonito, Elvira, daqueles a que já nos habituaste, fruto da tua prodigiosa imaginação. Continua a escrever que quem te lê, fá-lo com muito prazer.Bem-hajas! Beijinhos

Roseli Pedroso disse...

Elvira que belíssima história de amor, perdas e esperança na vida! Parabéns!
Abraço,

Dalva disse...

Essa gravidez foi um carinho de Deus, que jamais nos deixa sem esperanças... uma vida não substitui a outra, nem um amor como o de Sofia e o marido pode ser substituído por outro, mas a semente de esperança foi plantada!

Bjs.

Tetê - Sem Neuras disse...

Oi Elvira! Desculpe a demora em vir ler sua participação na BCAP. Parabéns pela participação! Uma história muito bonita e bastante realista. Obrigada por sua visita! Bjks e bom final de semana! Tetê - avaliando a Vida

Adri disse...

Elvira, devagar e tarde vou chegando, rs. Achei linda a história da Sofia, você conseguiu fazer um retrato fiel e muito singela do tema da blogagem. Não há símbolo de esperança maior que carregar uma criança no ventre, lindo, lindo! Beijos!

LELLA disse...

Oi Elvira!

Só hoje que estou dando retorno ao carinho de vocês a minha participação nessa Blogagem Coletiva com o tema esperança. Grata! E pedindo desculpas pela demora!
Vou colar aqui o motivo que deixei escrito lá:

"Olá aos da Blogagem Coletiva Amor aos Pedaços!
Primeiro trazendo minhas desculpas por essa demora no retorno! Como vocês são novas por aqui, nesse meu blog pessoal, farei um breve resumo de coisas que já contei em algums postagens. É que por voltar a morar sozinha, e com a grana muito curta, eu é que faço todo o serviço de casa. Por conta do esforço, muita das vezes, no final do dia, meu corpo pede mais se esticar na cama. Ficar um tempo a mais sentada, e então vir para o computador, me leva a tentar administrar, priorizar o que tenho que fazer. Esse blog fica até desatualizado. Porque um outro que eu criei, o http://cinemaeaminhapraia.com.br/ , até por ter virado um blog coletivo, meu pouco tempo fica quase todo cuidando dele.
Agora, agradecendo toda essa participação! Grata!
Darei um retorno a todas aqui. Assim como retribuir a visita, se não der a todas hoje, eu continuarei amanhã e depois. É que eu também digito devagar.
Um beijo grande!"

Muito bom a sua participação!


Beijos,