12.5.17

OS CAMINHOS DO DESTINO -PARTE XXII


Saía do duche quando o telemóvel tocou. Enrolou o corpo num toalhão, colocou uma toalha à volta da cabeça, em forma de turbante e preparava-se para ir atender quando o aparelho deixou de tocar.
Passou um creme hidratante no corpo e vestiu um pijama, composto de calção e top. Depois ligou o secador, e dedicou-se a secar o cabelo. Tinha cabelo comprido, forte e negro, que ultimamente, por causa do emprego, e também porque estava muito calor, usava sempre entrançado.
Tendo terminado, pegou no telemóvel para ver quem lhe ligara. Clara. Tinha ficado de lhe ligar na véspera e como saíra mais tarde, esquecera. Fez a ligação. Atendeu ao primeiro toque.
-Olá. Já ia ligar-te de novo.
-Desculpa não ter atendido. Estava no banho.
- Ficaste de ligar ontem e não o fizeste. E agora não atendeste. Já estava a ficar preocupada. Está tudo bem?
- Está. Ontem saí já depois das nove, o patrão saiu mais tarde para acabar um trabalho.
-O patrão faz serão e tu é que sais mais tarde? – Ironizou a amiga.
- Não sejas tonta. Sabes bem que só saio quando ele chega. Não posso deixar a menina sozinha.
- Estou preocupada contigo. Estás a apegar-te demasiado a essa criança. Eu sei, que devido aos acontecimentos anteriores, era previsível, mas receio que vás sofrer muito quando se separarem. Já pensaste que de um momento para o outro, ele pode decidir pô-la numa creche?
- Não me parece que o faça tão cedo.
- Mais uma razão. Quanto mais tempo, estiveres com ela, mais te vai custar depois. Os homens não ficam muito tempo sozinhos, especialmente quando têm filhos. Ele já demonstrou interesse por ti?
- Claro que não. Estás doida?
- Não sei porquê. És jovem, bonita, educada. E se ele não se apaixonar por ti, apaixonar-se-á por outra qualquer.  Quando menos esperares aparece com uma namorada. E achas que alguma vai aceitar uma mulher como tu perto do homem que ela quer? Arranja logo maneira de pôr a menina na creche e correr contigo.
-Não façamos conjeturas sobre o futuro; como diz meu pai, o que for há-de soar.
- Tenho medo por ti amiga. Já sofreste o suficiente com tudo o que te aconteceu. Mas deixemos isso. Conto contigo no sábado. Vamos até à Caparica. Há quase um mês que não te vemos.
- Sábado?
- Sim. E nem penses arranjar desculpa, ou vou aí buscar-te.
-Está bem. Mas basta ires buscar-me a Cacilhas. Mando-te uma mensagem quando estiver no barco.


10 comentários:

Isa Sá disse...

A passar por cá para acompanhar a história.


Isabel Sá
Brilhos da Moda

✿ chica disse...

E as coisas vão acontecendo.Agora o passeio pela frente! bjs, chica

São disse...

Acompanhando.

Beijinhos, linda, bom fim de semana

AvoGi disse...

Cada vez melhor. Anseio o dia em que....
Kis :=}

Odete Ferreira disse...

Seguindo...
Bjinho :)

Os olhares da Gracinha! disse...

Isso mesmo ... o que for ... há-de soar!
bj

Edumanes disse...

A vida de Beatriz, continua,
aqui no mundo das antiguidades
tudo na mesma sem novidades
de dia o sol, de noite a lua!

Tenha uma boa noite amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

A vida de Beatriz
Vai seguindo como um rio!
E quando encontra um desvio,
Não desliza por um triz.

E como eterna aprendiz,
Beatriz tem sangue frio:
Não é a fêmea no cio,
Nem se faz de meretriz.

É uma jovem que procura
Um amor a estar segura
De seu amor ser seguro.

É uma doce criatura
Meiga de doce ternura
E de coração doce e puro.

Como o amor é incerto, incerto é o destino humano, pois o ser que feito de amor e à imagem do Amor, achará sempre o amor. E Beatriz há de ter "um final feliz". Grande abraço, Elvira! Laerte.

Prata da casa disse...

A acompanhar a história ( embora vá fazer uma pausa agora ).
Bjn e até breve
Márcia

Rosemildo Sales Furtado disse...

Já fazia um bom tempo que a Clara não dava sinal de vida, mas, como vimos, continua sempre interessada no bem da amiga. Continuo acompanhando e gostando.

Abraços,

Furtado