3.8.17

SINFONIA DA MEMÓRIA - PARTE XXIV






Estavam no cemitério. Caminhava atrás de uma carrinha funerária. Ele e meia dúzia de pessoas. Um homem pouco mais velho do que ele, e dois outros bem mais velhos. E três mulheres. Todas idosas. Percebeu que uma delas seria a mãe do outro homem. As outras, as esposas dos outros dois. Ele estava sozinho. Atrás deles algumas pessoas importantes. Ele conhecia alguns. O doutor, o presidente da junta de freguesia, o dono do talho. Ele estava triste. Perguntou-se quem seria o defunto, mas não encontrou resposta para a sua própria pergunta. O carro funerário parou. Ao lado havia uma cova. Dois homens estavam ao lado das pás. Outros dois seguravam em cordas. A urna foi retirada da carrinha e colocada sobre uma banca ao lado da cova. Um padre aproximou-se e encomendou a Deus a alma do defunto. Depois o homem da funerária abriu a urna, para uma última despedida. O choro das velhas aumentou. Ele ia aproximar-se, para ver o corpo, mas o outro homem empurrou-o, e fechou a urna.  Nesse momento alguém gritou.
-Mamã, mamã…
Era uma voz de criança e chorava. Acordou em sobressalto. Saltou da cama e saiu disparado em direção ao quarto de Diogo, quase chocando com a mulher que acudia aflita ao grito do filho.
Encontraram o menino, sentado na cama com o rosto banhado em lágrimas.
-Pronto, filho a mamã está aqui. Foi só um sonho, meu amor, não tenhas medo, -dizia Helena abraçando-o e beijando-o para o acalmar.  
Fernando sentou-se na cama, e passou a mão pela cabeça do menino.
- Então Campeão, o que é isso? Um menino tão corajoso como tu, tem medo de quê?
-Não tenho medo, tio Fernando, -disse o menino empertigando-se.
- Bem me queria parecer, Diogo. Mas sabes uma coisa? É noite, e de noite as pessoas dormem. E os meninos que não têm medo, também. Vamos dormir?
A criança subitamente calma, deitou-se e Fernando aconchegou-lhe a roupa, e deu-lhe um beijo na testa, perante o espanto da mãe.


Hoje mesmo volto para Lagos. As postagens vão continuar a sair conforme programação anterior, mas do Smartphone não consigo aceder aos vossos blogues, pelo que vos peço desculpas pela minha ausência. Deixo um abraço e votos de felicidades para vós. Os posts sairão tal como estão agendados todos os dias.




14 comentários:

Tintinaine disse...

Vim aqui numa fugida rápida e li dois episódios de uma assentada. Amanhã, espero voltar para ver se há mais.

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
continua tudo como dantes no quartel em Abrantes.
ou seja , não consigo ponta por onde lhe pegar.
JAFR

Isa Sá disse...

A passar por cá para acompanhar a história!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

✿ chica disse...

Acompanhando e gostando! Boa continuação das férias! bjs, chica

Os olhares da Gracinha! disse...

São momentos sempre dolorosos! Bj

lua singular disse...

Oi Elvira,
Desculpa não poder acompanhar os capítulos, não ando bem há tempos.
Já estou no adesivo de morfina.
Beijos
Lua Singular

Edumanes disse...

sonhos desses metem medo. Até me arrepio todo, só de pensar na aflição do menino. Isso não são sonhos. São mas é pesadelos! Quando eles me apoquentam eu sofro como o caramba, é tamanha a aflição que me afronta na cama. Eu quero fugir do que me está a sufocar e não consigo, é muito doloroso!

Boa viagem para Lagos, e continuação de boas férias amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

António Querido disse...

Também já regressei à minha Figueira, na passada segunda feira estive na sua terra, a almoçar no Restaurante Casa do Hugo, junto ao Tejo e como não podia deixar de ser mostrei a Escola de Fuzileiros ao meu neto, com direito a visita guiada.

O meu abraço

Ana S. disse...

Olá Elvira!
Boas férias.
Continuarei a ler os posts.
Abraço

Cantinho da Gaiata disse...

Passando e pondo a leitura em dia.
Estou a gostar, longe de se saber o final.
Continuação de boas férias.
Bjs

Pedro Coimbra disse...

E nós continuaremos por aqui a acompanhar.
Boas férias!
Abraço

Gaja Maria disse...

Boa continuação de férias Elvira

Rosemildo Sales Furtado disse...

Continuo acompanhando, gostando e aguardando os acontecimentos.

Abraços,

Furtado

redonda disse...

Ele deve ter dado segurança ao menino para não ter mais medo :)